sábado, 30 de junho de 2012

Bela Foto... Lindo Espetáculo....




Johnnie Walker


A man of knowledge



A man of knowledge is one who has followed truthfully the hardships of learning, a man who has, without rushing or without faltering, gone as far as he can in unraveling the secrets of power and knowledge. To become a man of knowledge one must challenge and defeat his four natural enemies.

When a man starts to learn, he is never clear about his objectives. His purpose is faulty; his intent is vague. He hopes for rewards that will never materialize for he knows nothing of the hardships of learning.

He slowly begins to learn -- bit by bit at first, then in big chunks. And his thoughts soon clash. What he learns is never what he pictured, or imagined, and so he begins to be afraid. Learning is never what one expects. Every step of learning is a new task, and the fear the man is experiencing begins to mount mercilessly, unyieldingly. His purpose becomes a battlefield.

And thus he has stumbled upon the first of his natural enemies: fear! A terrible enemy--treacherous, and difficult to overcome. It remains concealed at every turn of the way, prowling, waiting. And if the man, terrified in its presence, runs away, his enemy will have put an end to his quest and he will never learn. He will never become a man of knowledge. He will perhaps be a bully, or a harmless, scared man; at any rate, he will be a defeated man. His first enemy will have put an end to his cravings.

It is not possible for a man to abandon himself to fear for years, then finally conquer it. If he gives in to fear he will never conquer it, because he will shy away from learning and never try again. But if he tries to learn for years in the midst of his fear, he will eventually conquer it because he will never have really abandoned himself to it.

Therefore he must not run away. He must defy his fear, and in spite of it he must take the next step in learning, and the next, and the next. He must be fully afraid, and yet he must not stop. That is the rule! And a moment will come when his first enemy retreats. The man begins to feel sure of himself. His intent becomes stronger. Learning is no longer a terrifying task.

When this joyful moment comes, the man can say without hesitation that he has defeated his first natural enemy. It happens little by little, and yet the fear is vanquished suddenly and fast. Once a man has vanquished fear, he is free from it for the rest of his life because, instead of fear, he has acquired clarity -- a clarity of mind which erases fear. By then a man knows his desires; he knows how to satisfy those desires. He can anticipate the new steps of learning and a sharp clarity surrounds everything. The man feels that nothing is concealed.

And thus he has encountered his second enemy: Clarity! That clarity of mind, which is so hard to obtain, dispels fear but also blinds. It forces the man never to doubt himself. It gives him the assurance he can do anything he pleases, for he sees clearly into everything. And he is courageous because he is clear, and he stops at nothing because he is clear. But all that is a mistake; it is like something incomplete. If the man yields to this make-believe power, he has succumbed to his second enemy and will be patient when he should rush. And he will fumble with learning until he winds up incapable of learning anything more. His second enemy has just stopped him cold from trying to become a man of knowledge. Instead, the man may turn into a buoyant warrior, or a clown. Yet the clarity for which he has paid so dearly will never change to darkness and fear again. He will be clear as long as he lives, but he will no longer learn, or yearn for, anything.

He must do what he did with fear: he must defy his clarity and use it only to see, and wait patiently and measure carefully before taking new steps; he must think, above all, that his clarity is almost a mistake. And a moment will come when he will understand that his clarity was only a point before his eyes. And thus he will have overcome his second enemy, and will arrive at a position where nothing can harm him anymore. This will not be a mistake. It will not be only a point before his eyes. It will be true power.

He will know at this point that the power he has been pursuing for so long is finally his. He can do with it whatever he pleases. His ally is at his command. His wish is the rule. He sees all that is around him. But he has also come across his third enemy: Power!

Power is the strongest of all enemies. And naturally the easiest thing to do is to give in; after all, the man is truly invincible. He commands; he begins by taking calculated risks, and ends in making rules, because he is a master. 

A man at this stage hardly notices his third enemy closing in on him. And suddenly, without knowing, he will certainly have lost the battle. His enemy will have turned him into a cruel, capricious man, but he will never lose his clarity or his power.

A man who is defeated by power dies without really knowing how to handle it. Power is only a burden upon his fate. Such a man has no command over himself, and cannot tell when or how to use his power.

Once one of these enemies overpowers a man there is nothing he can do. It is not possible, for instance, that a man who is defeated by power may see his error and mend his ways. Once a man gives in he is through. If, however, he is temporarily blinded by power, and then refuses it, his battle is still on. That means he is still trying to become a man of knowledge. A man is defeated only when he no longer tries, and abandons himself.

He has to come to realize that the power he has seemingly conquered is in reality never his. He must keep himself in line at all times, handling carefully and faithfully all that he has learned. If he can see that clarity and power, without his control over himself, are worse than mistakes, he will reach a point where everything is held in check. He will know then when and how to use his power. And thus he will have defeated his third enemy.

The man will be, by then, at the end of his journey of learning, and almost without warning he will come upon the last of his enemies: Old age! This enemy is the cruelest of all, the one he won't be able to defeat completely, but only fight away.

This is the time when a man has no more fears, no more impatient clarity of mind -- a time when all his power is in check, but also the time when he has an unyielding desire to rest. If he gives in totally to his desire to lie down and forget, if he soothes himself in tiredness, he will have lost his last round, and his enemy will cut him down into a feeble old creature. His desire to retreat will overrule all his clarity, his power, and his knowledge.

But if the man sloughs off his tiredness, and lives his fate though, he can then be called a man of knowledge, if only for the brief moment when he succeeds in fighting off his last, invincible enemy. That moment of clarity, power, and knowledge is enough.
      
Anything is one of a million paths. Therefore you must always keep in mind that a path is only a path; if you feel you should not follow it, you must not stay with it under any conditions. To have such clarity you must lead a disciplined life. Only then will you know that any path is only a path and there is no affront, to oneself or to others, in dropping it if that is what your heart tells you to do. But your decision to keep on the path or to leave it must be free of fear or ambition. I warn you. Look at every path closely and deliberately. Try it as many times as you think necessary.

This question is one that only a very old man asks. Does this path have a heart? All paths are the same: they lead nowhere. They are paths going through the bush, or into the bush. In my own life I could say I have traversed long long paths, but I am not anywhere. Does this path have a heart? If it does, the path is good; if it doesn't, it is of no use. Both paths lead nowhere; but one has a heart, the other doesn't. One makes for a joyful journey; as long as you follow it, you are one with it. The other will make you curse your life. One makes you strong; the other weakens you.
      
Before you embark on any path ask the question: Does this path have a heart? If the answer is no, you will know it, and then you must choose another path. The trouble is nobody asks the question; and when a man finally realizes that he has taken a path without a heart, the path is ready to kill him. At that point very few men can stop to deliberate, and leave the path. A path without a heart is never enjoyable. You have to work hard even to take it. On the other hand, a path with heart is easy; it does not make you work at liking it.

By THE TEACHINGS OF DON JUAN: A YAQUI WAY OF KNOWLEDGE.

Don Juan


quinta-feira, 28 de junho de 2012

That is all!!!!


Fala sério!!!!


Cantinho bem legal....







Mais Mário....

Me desculpe, mas é que tenho mergulhado na obra desse cara... e estou gostando do que estou lendo.... A "finalidade" desse texto é tão somente mostrar a desenvoltura desse homem na colocação de palavras, idéias e argumentos. E quão fácil é sua leitura. Aproveite!!!

DA FINALIDADE

É muito comum, nos dias que passam, ouvir-se de muitas bocas e de muitas penas, expressões como estas: «a filosofia do passado já está superada», "a ciência de hoje desterrou, de vez, a filosofia", "os filósofos medievais são hoje fantasmas, e nada mais", "não é possível que volvamos mais para o passado". Estas, e outras frases semelhantes, enunciadas por pessoas diplomadas e professores universitários, revelam a que ponto de decadência chegou a nossa cultura.

E não se diga que tais frases são ouvidas apenas entre nós, como gostariam de pensar alguns desses brasileiros de alma naturalizada estrangeira, que não acreditam nas nossas possibilidades. Não; também "conspícuos e notáveis" mestres de universidades famosas do mundo inteiro repetem essas mesmas frases e, pior, escrevem-nas em seus livros, conseguindo, desse modo, influir em mentes inadvertidas, sobretudo as dos jovens, perturbando, desse modo, o desenvolvimento que deveria ter a cultura de hoje.

O verdadeiro conhecimento não é formado apenas pelo acúmulo de informações; pelo menos não o é a verdadeira cultura. Aqueles que julgam que um homem culto é um homem erudito enganam-se, porque qualquer débil mental pode alcançar a erudição; não poderá, porém, alcançar um grau elevado de cultura.

Há cultura quando há conhecimento de nexos e se é capaz de realizar as ilações mais amplas, quando se tem uma visão coordenada do conhecimento específico com o genérico, quando não se é apenas um monstro de conhecimento parcial, mas se desenvolve uma ampla visão geral.

E isso tinha os gregos e os medievais!

Julgar-se que hoje é impossível, dada a soma imensa de dados conhecidos sobre um objeto formalmente considerado, atingir uma visão universalista tem sido um dos preceitos mais estúpidos da nossa época, como não nos cansamos de repetir. E crer em tal impossibilidade tem servido para que os homens de saber, como em nenhuma época anterior aconteceu com a humanidade, se encontrem hoje muito afastados uns dos outros...

Certa vez, um desses representantes da preconceituosa e falsa crença da nossa época, referindo-se à filosofia medieval, sobretudo à escolástica, dizia-me:

-Mas tudo já está ultrapassado!!!

Então, perguntei-lhe:

-Ultrapassado? Por quem, e pelo quê? Pelo Racionalismo? Pelo Idealismo? Pelo Materialismo? Pelo Espiritualismo? Pelo Imaterialismo berkeleyiano? Pelo Criticismo? Pelo Pragmatismo? Pelo Positivismo? Pelo Ficcionalismo? Pelo Existencialismo? Pelo quê, afinal? - perguntei-lhe.

O homem, na verdade, engoliu em seco, e não continha a ira que lhe invadia o corpo (e digo corpo, porque ele não admitia a existência da alma...), e disse-me, finalmente:

-Qualquer filósofo moderno supera em conhecimento os do passado.

Eu sabia estar à frente de um homem ignorante, mas de uma pedante arrogância, que evidenciava nas inflexões da sua voz. Restava-me apenas pô-lo à prova. E procedi deste modo:

-Muito bem. Vou dar-lhe uma oportunidade. O senhor escolha a obra de um grande autor medieval a seu talante, e aponte-me de seguida as insuficiências que proclama. Admito que há erros, sem dúvida, mas faça-me a comparação dessa obra com a obra de um filósofo moderno de sua escolha, e discutiremos as passagens.

O nosso homem embatucou. A seguir, fez um gesto de displicência. Não deixei que falasse mais. Havia-se revelado a verdade. E a verdade foi dita nessas minhas palavras finais:

-Meu caro, o que se passa é que o senhor não conhece nenhuma obra de nenhum grande autor medieval!

E a sua resposta foi apenas:

-Não disponho de tempo para dedicar-me a estudos clássicos.

Perante isto, não valia a pena prosseguir. O nosso homenzinho desdenhava do que lhe era desconhecido, menosprezava o que jamais havia estudado. Era o exemplo magnífico dos dias de hoje, da pedante e atrevida ignorância que se julga superior.

É um grave erro da nossa época não se entender ontologicamente a história. Esquece-se que o presente nada mais é que um futuro sido e o futuro do passado.

Não sabem que o homem de hoje é o produto de uma longa elaboração e que o nosso conhecimento é um acúmulo do saber que atravessou os séculos?

Se alguém se dedicar a ler os ficcionistas do século passado, verá quantas vezes os homens daquele tempo se orgulhavam do seu saber. Certas explicações científicas eram dadas como definitivas, e alguns julgavam até que não caberia mais para as gerações futuras, senão repetir o que os grandes mestres da segunda metade do século dezenove haviam encontrado. Mas veio o século vinte, a princípio decepcionado quanto ao futuro, julgando que nada mais havia que se fazer. A história havia chegado ao seu ápice, e daí por diante, para os estudiosos, restava apenas debruçarem-se sobre o que fora realizado no século dezenove e incensar os seus grandes corifeus. Mas o saber do século vinte é outro, muito outro. E o mais interessante, e muitos "sábios" não sabem, é que volveram-se para muitas concepções "já ultrapassadas". Ora, esquecem esses senhores que não se ultrapassam certos conhecimentos, como se vê na Matemática, como se vê na Lógica, como se vê na Ontologia... Tais conhecimentos são acrescentados a outros, e o presente revela-se, então, como deve ser entendido: uma afirmação da positividade do passado, porque o presente é o futuro do passado, e uma afirmação do futuro, porque o presente é um futuro sido. O conhecimento humano não se separa das origens, as suas raízes estão imersas no passado, tal como os galhos que despontam, crescem para o amanhã.

O patrimônio do saber humano é uma coisa muito séria, e ninguém tem o direito de renunciar, em nome da humanidade, ao que nos legaram os nossos antecessores. Muito menos direito a isso o terão esses falsos sábios de hoje, os menos qualificados herdeiros de séculos e milênios de um trabalho disciplinado e honesto.

Qual a razão destas nossas palavras? É que pretendemos agora abordar um dos temas mais apaixonantes de nossa época e, no âmbito do qual, muitos famosos e notáveis sábios têm dito erros de espantar, mas que, para os inadvertidos, têm soado como irrefutáveis verdades...

O tema de que queremos falar é o da finalidade. Vamos afrontar os sorrisos desses cavalheiros, mas também iremos confundi-los com meia dúzia de argumentações apodíticamente dispostas, a que não poderão responder nem contestar.

Sobre este tema, conhecem-se as seguintes teses:

1) Os entes corpóreos não atuam segundo um fim, uma finalidade. As aves não têm asas para voar, mas voam porque têm asas. Nenhum metal tem afinidade para combinar-se com outro em determinadas proporções, mas combina-se como outros porque dispõe de poderes para tal. O germe de um ser A não tende a formar um ser A, mas produz o ser A, porque tem poder para formar tal ser. Há poderes, sem dúvida, que atingem determinados efeitos, mas os atingem, porque os atingem, não têm tais poderes com a finalidade de atingir tais efeitos.

Todos os ateístas, materialistas, evolucionistas, transformistas etc. pregam estas ideias.

2) A segunda posição é a total inversão da primeira. Afirma que todos os corpos agem segundo um fim, embora muitos desses fins não os possamos saber, os quais foram prescritos por Deus e cujo conhecimento é uma das mais importantes tarefas da Ciência. Esta é, por exemplo, a posição de Descartes.

3) A terceira posição afirma que os seres corpóreos irracionais agem segundo fins próximos, que são as suas próprias operações e os seus efeitos, que a eles se movem não como faz univocamente o ente inteligente, mas à semelhança deste. Esta é a tese aceita pelos grandes filósofos do passado, como os pitagóricos de terceiro grau, Sócrates, Platão, Aristóteles, Plutarco, Sêneca, os grandes patrólogos, a maioria dos escolásticos (alguns aceitam a tese cartesiana), e ainda grandes cientistas como Leibnitz, Newton, Couvier, etc).

Postas em enunciado tais teses, podemos, agora, penetrar no mérito da questão, examinar as razões de um lado e de outro, e justificar, afinal, a posição que tomamos, que se enquadra, como era de prever, na terceira tese.

Partamos, primeiramente, da experiência; 

a) observando-se os seres corpóreos, notamos:

1) nos inanimados, nos seres não vivos, há certas atividades que obedecem a leis naturais, das quais já falamos, tanto na sua origem como nas suas consequências;

2) nos seres vivos, notamos, ademais, que tais atividades alcançam resultados que interessam aos mesmos, quanto à sua totalidade; ou seja, à sua conservação, perpetuação e descendência, especificamente igual.

b) Toda a ação é algo que se dá no que é atuado. Ora, toda a ação, no ser corpóreo, é algo que se realiza de um termo de partida (terminus a quo) a um termo de chegada (terminus ad quem), termos que podem ser apontados como mais próximos uns, mais remotos outros, ou um que é o termo final da ação. Não é possível realizar-se uma ação que não aponte a tais termos, pois todo o agir implica um realizar ainda não realizado, toda a ação implica, fatalmente, um fim. E um fim, sim, porque fim quer dizer, em todas as intencionalidades humanas, de todas as eras, o termo para o qual se dirige qualquer coisa, para o que qualquer coisa tende quando faz alguma coisa, porque o «alguma coisa» realizado é um fim da ação, do eficiente que a faz.

Mas uma coisa inanimada não tem um psiquismo, não tem uma intencionalidade psíquica quanto ao fim; contudo, tem uma intencionalidade.

Um ser inteligente pode tender para um fim que ele representa, por imagem ou não, com antecedência. Sua ação pode ser escolhida para tal termo. Se tomarmos o termo intencionalidade apenas no sentido psicológico, não o poderemos atribuir às coisas inanimadas, mas se tomarmos esse termo no sentido do in-tende (para), no que tende em direção para algo, que aponta para algo, podemos dizer que toda ação tende para um fim, tem a intencionalidade de um fim.

E este juízo é um juízo analítico, porque é impossível conceber-se uma ação que não parta de um termo para atingir ou tentar atingir um outro termo porque, de contrário, não haveria a ação.

Deste modo, o juízo: «toda ação tende para um fim» é um juízo analítico, apoditicamente certo e necessário; de contrário, negar-se-ia a ação, o que seria contraditório.

Tal juízo permite a seguinte ilação: necessariamente, há em toda a ação um tender para um termo (um final, próximo ou remoto, um só, ou vários, pouco importa), e é por esta verdade concreta não ter sido compreendida que surgiram muitos erros, tanto na filosofia como na ciência.

Mas, então, poderá colocar-se a pergunta: como se explica que uma coisa tão evidente tenha passado despercebida a homens a que não podemos negar talento, mas que se filiaram na primeira posição?

Tal tem acontecido por algumas razões:

1) Por terem confundido a intencionalidade física com a intencionalidade psicológica. Para tais senhores, só há uma intencionalidade. Ademais, se os entes tendem para alguma coisa, deve ter havido uma prévia determinação. Ora, essa determinação implica uma escolha, uma inteligência, o que implica um ser inteligente que decretaria tais finalidades; ora, esse ser, todo poderoso, seria o Deus das religiões; e como esses senhores não querem admitir tal possibilidade, empenham-se então em negar a finalidade porque, desse modo, julgam eles, conseguem pôr por terra a crença numa divindade, que tanto se afanam em negar.

2) A finalidade indicaria, de qualquer modo, que algo é estabelecido com antecedência e, para eles, essa afirmativa é perigosa. De fato, admitir uma finalidade biológica levaria, afinal, às mesmas perigosas consequências que é necessário evitar...

Continuemos, então, o exame dos conceitos. Vimos que há fins próximos e fins remotos. O fim próximo é o que pode ser ordenado a um fim posterior, remoto é o que fica posteriormente ao próximo.

Por outro lado, pode-se falar em fim intrínseco e fim extrínseco. Intrínseco, é o fim conformado à natureza da coisa; extrínseco, o que está fora da natureza. Assim se poderia dizer que é um fim intrínseco do grão de trigo tornar-se um arbusto e produzir uma espiga. Mas tornar-se pão, matéria do pão, é um fim fora da natureza do trigo, é um fim extrínseco a este. Ora, essa elementar diferença entre fim intrínseco e extrínseco levou muitos "filósofos" a ridicularizarem a ideia da finalidade, ao dizerem, sem conter o riso, que os que admitem tal doutrina afirmam que o trigo foi criado para dar pão, que as pulgas são escuras para mais facilmente serem percebidas na roupa branca, e coisas de igual valia.

Onde encontraram tais afirmativas? Em algum grande autor medieval? Certamente que não!!! Quem fez tais afirmativas foi algum "notável filósofo", já refutado com séculos de antecedência, mas que pontifica do alto de alguma cátedra, que é mais alta do que ele.

Um arqueiro toma de seu arco e atira uma seta a uma ave que voa. O arco retesado tende a volver à primeira posição e produz um esforço, uma forca que impele a flecha, vencendo a sua inércia, e a projeta no espaço, com uma forca que é capaz de vencer a resistência do ar, até atingir o alvo, a ave que voa. Atingir a ave que voa é a intenção do arqueiro, que usou o arco e a flecha, a sua força, a sua pontaria, com essa finalidade: não da seta. Esta apenas tende para onde tendem as ações diversas que nela se operam, obedientes à causa eficiente que a movimenta. A seta não tende para a ave, não atua propter finem, porque, sem a ave, realizaria, também, a mesma ação, desde que impulsionada para tal.

Bastaria compreender claramente estas distinções para que já não houvesse mais motivos para se escreverem tantas tolices contra a finalidade, como o fizeram aqueles que jamais a entenderam.

Restam, pois, os seguintes resultados de nossa especulação:

1) toda ação tende para um fim. 
A) os seres inanimados, irracionais, não projetam, antecedentemente, um fim. 
B) os seres racionais podem estabelecer com antecedência um fim, como o faz o homem, para exemplificar. Estes podem querer um fim, os primeiro não têm qualquer querer. 
C) os seres tendem para fins intrínsecos, que são os correspondentes à sua natureza, e a fins extrínsecos, fora de sua natureza. Um ser inteligente pode dar a outros seres um fim extrínseco; ou seja, uma intencionalidade extrínseca, que não é "querida" pelo primeiro.

Chegados a este ponto, se vê, facilmente, a pouca validade das ideias expostas pelos adversários da finalidade. Tudo é produto de uma confusão. Mas a confusão começou, sobretudo, quando se diz que se fez a luz! Quanto mais se falou em iluminismo, luzes, clareamento, mais se confundiram as ideias.

O auge da confusão chegou, agora, com a nossa época, em que mais ninguém se entende, porque são poucos os que realmente entendem alguma coisa com precisão. Não é mais de admitir o retorno a velhos erros, já refutados.

O que tais senhores afirmam ter descoberto, para ultrapassar a filosofia do passado, foi apenas a retoma de velhos erros, de velhas doutrinas já refutadas e confutadas. Não há um passo à frente, mas dez passos para trás. Não se avançou no conhecimento, mas se recuou. O que tais senhores fazem é voltar para trás, para o lixo do pensamento do passado. E depois, do alto da sua ignorância, passam a afirmar que alcançaram a um novo pensamento superior, que, na verdade, nada mais é que um velho erro inferior e primário, que já fora confutado de modo definitivo. A tanto leva, sem dúvida, a falsa ciência, mascarada de sábia.

Mas há mais. Vamos, a seguir, dar as grandes objeções oferecidas pelos que negam a finalidade.

Dizem: se os agentes naturais agissem segundo um fim, conheceriam tal fim, o que é absurdo. Argumento prejudicado, porque há agentes naturais que podem conhecer seus fins, e outros não, sem que seja necessário conhecer um fim para que haja o fim. É como aquele argumento de Heisenberg, em que o conhecimento passaria ser causa da realidade de uma coisa. Seria mister conhecer nitidamente a regularidade para que a regularidade exista.

Há alguns materialistas que afirmam coisas como esta - não existe o incorpóreo, porque não é objeto de conhecimento sensível - como se o conhecimento sensível fosse a razão da existência das coisas!!!

Um pouco de estudo de Lógica, e de bom-senso, evitaria erros tão infantis e bárbaros.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Diversão garantida 2


Diversão garantida


Analogia Papus


Obviamente, não sou eu que vou consertar o que ele disse, mas teria alguns parênteses a colocar nesse texto, mas basicamente de interpretação e não de correção.....


— Vistes alguma vez um fiacre (coche, carruagem) transitando pelas ruas de Paris? ... se observares atentamente este fiacre, estareis em condições de aprender rapidamente a mecânica, a filosofia, psicologia e sobretudo, a magia. Se minha pergunta ... vos parece absurda é que não sabeis ainda observar. Olhais, mas não vêdes; experimentais passivamente sensações, mas não tendes o costume de as analisar, de procurar as relações das coisas. ... Todos os fenômenos físicos que ferem nossos sentidos, não são mais do que reflexos das vestes de princípios mais elevados: as idéias. ...

Voltemos ao nosso fiacre. Uma carruagem, um cavalo, um cocheiro, eis toda a filosofia, eis toda a magia. ... Se o ser inteligente, o cocheiro, quisesse pôr em movimento seu fiacre sem o cavalo, o carro não andaria. ... [Entretanto] muitos supõem que magia é a arte de fazer mover fiacres sem cavalos ou, traduzindo em linguagem um pouco mais elevada, de agir sobre a matéria pela vontade e sem intermediários de espécie alguma. ... Observastes que o cavalo é mais forte que o cocheiro e que, por meio das rédeas, o cocheiro domina a força bruta do animal que ele conduz? O cocheiro representa a inteligência e, sobretudo, a VONTADE, o que governa todo o sistema ... A carruagem representa a MATÉRIA, o que é inerte ... O cavalo representa a FORÇA.

Obedecendo ao cocheiro e atuando sobre a carruagem, o cavalo move todo o sistema. [O Cavalo] é o princípio motor ... elo intermediário entre a carruagem e o cocheiro, elo que prende o que suporta (matéria) ao que governa (pensamento, inteligência). [Em outras palavras] ... O cocheiro é a VONTADE HUMANA, o cavalo é a FORÇA VITAL ... sem a qual o cocheiro não pode agir sobre a carruagem.

... Ora, quando nós nos encolerizamos ao ponto de perder a cabeça, [dizemos que] o sangue "subiu à cabeça" ou, a força vital, o cavalo descontrolado apoderou-se da mente, isto é, o cavalo "desboca-se" e, céus! Nesse caso, o dever do cocheiro é [manter o pulso firme nas rédeas], e pouco a pouco, o cavalo, dominado por essa energia, torna-se calmo. O mesmo acontece com o ente humano: seu cocheiro — a vontade, deve agir energicamente sobre a cólera, as rédeas que prendem a FORÇA VITAL à VONTADE devem ser mantidas em tensão [sob controle] ...

A magia sendo uma ciência prática, requer conhecimentos teóricos preliminares, como todas as ciências práticas. Entretanto, há diferença entre um engenheiro mecânico, que passou por um curso universitário e um mecânico técnico ou leigo, que fez um curso rápido ou aprendeu na lida do dia a dia da oficina. Em muitos lugarejos, há leigos em magia que, de fato, produzem fenômenos curiosos e realizam curas, porque aprenderam a fazer estas coisas vendo como eram feitas pelos mais velhos, repetindo tradições cujo fundamento, geralmente, se perdeu. Esses "magos leigos" são os chamados feiticeiros...

Sendo prática, a magia é uma ciência de aplicação. Mas, o quê o operador vai aplicar? SUA VONTADE... o princípio diretor, o cocheiro do sistema. Perguntamos ainda: em quê, em qual objeto será aplicada esta VONTADE? Na MATÉRIA? Nunca! Seria como um cocheiro agitando-se na boléia da carruagem enquanto o cavalo ainda está na estrebaria! Um cocheiro AGE SOBRE um cavalo, não sobre a carruagem. ... Um dos grandes méritos da ciência oculta é justamente ter fixado este ponto: que o espírito não pode agir sobre a matéria diretamente; o espírito age sobre um AGENTE INTERMEDIÁRIO, o qual, por sua vez, reage (repercute) sobre a matéria. O operador deverá, pois, aplicar sua VONTADE não diretamente na matéria, porém naquilo que modifica a matéria incessantemente, [seu mediador plástico] que, a ciência oculta chama PLANO ASTRAL ou PLANO DE FORMAÇÃO DO MUNDO MATERIAL.

Ayahuasca


Em toda sua magnitude.... 

Vamos dizer assim.... Um afiador de facão....

Um facão afiado para mata densa... 
Cada facão é único e cada mata também.... 
Aprenda a afiar o facão...
Aprenda a adentrar a mata....
Mas um facão pode cortar a mata como o possuidor dele..... 
Muito cuidado.... 



terça-feira, 26 de junho de 2012

Cajado

É sempre bom ter um em mãos e na mente.... Mas se for físico, não esqueça de consagrá-lo... ;)

Série fotos lindas...


Catando a poesia... Que entornas no chão



Linda passagem.... "Passas sem ver teu vigia.... Catando a poesia.... Que entornas no chão."

As Vitrines
Chico Buarque

Eu te vejo sumir por aí
Te avisei que a cidade era um vão
Dá tua mão
Olha pra mim
Não faz assim
Não vai lá não

Os letreiros a te colorir
Embaraçam a minha visão
Eu te vi suspirar de aflição
E sair da sessão, frouxa de rir

Já te vejo brincando, gostando de ser
Tua sombra a se multiplicar
Nos teus olhos também posso ver
As vitrines te vendo passar

Na galeria, cada clarão
É como um dia depois de outro dia
Abrindo um salão
Passas em exposição
Passas sem ver teu vigia
Catando a poesia
Que entornas no chão

Poetry! They should have sent... a Poet...


Revi esse filme no final de semana e novamente achei-o lindo. Esse filme é uma adaptação do livro de Carl Sagan, astrônomo americano. É estrelado por Jodie Foster e Matthew McConaughey, dois bons atores.

Esse pedaço que coloquei aqui, é para mim, a melhor parte do filme. Achei linda a idéia de quem poderia melhor descrever a cena que via era um poeta....

segunda-feira, 25 de junho de 2012

After A While



Esse texto é bem legal. Dá para se meditar em cada frase dita. Foi errôneamente creditado a William Shakespeare, mas é de outra pessoa. Ao final dele, tem o nome da autora...

Depois de algum tempo, você aprende a diferença, a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma.
E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança.
E começa a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas.
E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.
E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.
Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo.
E aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam...
E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la, por isso.
Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.
Descobre que se levam anos para se construir confiança e apenas segundos para destruí-la, e que você pode fazer coisas em um instante das quais se arrependerá pelo resto da vida.
Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias.
E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida.
E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.
Aprende que não temos que mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam, percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos.
Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa, por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas, pode ser a última vez que as vejamos.
Aprende que as circunstâncias e os ambientes tem influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos.
Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que pode ser.
Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto.
Aprende que não importa onde já chegou, mas onde está indo, mas se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar serve.
Aprende que, ou você controla seus atos ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.
Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as conseqüências.
Aprende que paciência requer muita prática.
Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando você cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se.
Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou.
Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha.
Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens, poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.
Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel.
Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame, não significa que esse alguém não o ama, contudo o que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso.
Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes você tem que aprender a perdoar-se a si mesmo.
Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado.
Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte.
Aprende que o tempo não é algo que possa voltar para trás.
Portanto... plante seu jardim e decore sua alma, ao invés de esperar que alguém lhe traga flores.
E você aprende que realmente pode suportar... que realmente é forte, e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais.
E que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida!
Veronica A. Shoffstall

Mais Mário e Nietzsche



O entusiasmo é uma virtude nietzschiana. A depressão negativa, um acidente. Ele não nega a si mesmo e, nenhum autor talvez foi mais sincero em sua obra do que ele. Reponta em toda ela esses momentos de entusiasmos e de depressão. Ele os conhecia a cada passo. E o homem o conhece a cada passo. Seria absolutamente uma negativa de sua própria doutrina se Nietzsche se preocupasse seriamente em ser, em absoluto, coerente. 

A coerência é uma cadeia, um freio, uma prisão – uma mentira. 

Nietzsche coerente não seria Nietzsche. A depressão é um ânimo, um esforço, um impulso. Há na possibilidade da derrota o esforço, o impulso que gera a vitória. Quando deprimido, gemendo sua angústia, é que estava as bordas de reerguer-se. Isso é: seus livros, refletia a sua sinceridade. Nietzsche era e foi o mais sincero de todos os escritores. Nisso estava em grande parte a sua dignidade e o seu orgulho.

São essas contradições da alma humana que solidificam a vontade de poder. É preciso saber-se fraco, conhecer a própria fraqueza, para que a vitória tenha o sabor de felicidade. Ele sabia disso. Exclamava seus momentos de acovardamento. Cristo também pediu que lhe afastassem o cálice. Mas o cálice oferecido, a consciência da fatalidade de seu destino, deu-lhe a coragem de suportar a afronta dos seus inimigos. E Cristo, ali, também foi sincero. Quem acusaria Cristo de haver sido fraco, se sua fraqueza lhe deu a conhecer a força capaz de erguê-lo para suportar a infâmia dos seus algozes. 

E por que acusam Nietzsche?

Boa semana...


domingo, 24 de junho de 2012

Freedom, man... Freedom


Jack Nicholson
You know, this used to be a hell of a good country. I can't understand what's gone wrong with it.

Dennis Hopper
Everybody got chicken, that's what happened. Hey, we can't even get into a second-rate hotel. I mean, a second-rate motel, you dig? They think we're gonna cut their throat. They're scared, man.

Jack Nicholson
They're not scared of you. They're scared of what you represent to 'em.

Dennis Hopper
Hey, man, all we represent to them is somebody who needs a haircut.

Jack Nicholson
Oh, no. What you represent to them is freedom.

Dennis Hopper
What's wrong with freedom? That's what it's all about.

Jack Nicholson
That's right. That's what it's all about. But talkin' about it and bein' it... that's two different things. It's real hard to be free... when you are bought and sold in the marketplace. 'Course, don't ever tell anybody that they're not free... 'cause then they gonna get real busy killin' and maimin'... to prove to you that they are. Oh, yeah, they gonna talk to you and talk to you and talk to you... about individual freedom. But they see a free individual, it's gonna scare 'em.

Dennis Hopper
Well, it don't make 'em runnin' scared.

Jack Nicholson
No. It makes 'em dangerous.

Free Hugs - Abrace essa idéia

Para quem não me conhece, esse vídeo é a minha cara..... hahahahahah!!!
All the Same
Sick Puppies

I don't mind where you come from
As long as you come to me
I don't like illusions I can't see
Them clearly

I don't care no I wouldn't dare
To fix the twist in you
You've shown me eventually
What you'll do

I don't mind...
I don't care...
As long as you're here

Go ahead tell me you'll leave again
You'll just come back running
Holding your scarred heart in hand
It's all the same
And I'll take you for who you are
If you take me for everything
Do it all over again
It's all the same

Hours slide and days go by
Till you decide to come
And in between it always seems too long
All of a sudden

And I have the skill, yeah I have the will
To breathe you in while I can
However long you stay
Is all that I am

I don't mind...
I don't care...
As long as you're here

Go ahead tell me you'll leave again
You'll just come back running
Holding your scarred heart in hand
It's all the same
And I'll take you for who you are
If you take me for everything
Do it all over again
It's always the same

Wrong or right
Black or white
If I close my eyes
I's all the same

In my life
The compromise
I close my eyes
It's all the same

Go ahead say it you're leaving
You'll just come back running
Holding your scarred heart in hand
It's all the same
And I'll take you for who you are
If you take me for everything
Do it all over again
It's all the same

Cry with me - Big Kenny


Cry With You | Music Video from Big Kenny Alphin on Vimeo.

Infelizmente não consegui a letra da música. Mas ele canta devagar, a letra é simples e dá para entender bem... E como diz o ditado: Uma imagem vale mais que mil palavras.... esse tem várias imagens.... 

Love Everybody


Good things


Esse veio do blog de meu amigo LOM.... (http://www.lordofmotors.com/)...

Como disse no blog dele, nesse mundo em que os vídeos de segurança só parecem prestar para ver assassinatos, roubos, mortes e violência em geral, esse aí caiu dos céus....

Fiquei muito emocionado e espero que você também fique... e se possível, espalhe como puder essas imagens.... Isso é semente que dá fruto... ;)

A música também foi muito bem escolhida, pois fala de amor incondicional quando diz: See the man with the lonely eyes, Oh, Take his hand, you'll be surprised.


Give a Little Bit
Supertramp

Give a little bit
Give a little bit of your love to me
Give a little bit
I'll give a little bit of my love to you
There's so much that we need to share
So, send a smile and show you care

I'll give a little bit
I'll give a little bit of my life for you
To give a little bit
Give a little bit of your time to me
See the man with the lonely eyes
Oh, Take his hand, you'll be surprised

Give a little bit
Give a little bit of your love to me
Give a little bit
I'll give a little bit of my life for you
Now's the time that we need to share
So find yourself, we're on our way back home

Going home
Don't you need to feel at home?
Oh yeah, we gotta sing

You got a get a feeling.
Yeah, come along too.

Come a, come a, come a, come along.

Come along too.
For a long ride.
Come a long way
Sing it tonight

sábado, 23 de junho de 2012

Mario Ferreira dos Santos

Um tributo a esse que já foi dado como o maior filósofo Brasileiro, quiçá do mundo, no século XX. Esse homem analisou a obra de Nietzsche como nenhum outro. Nietzsche começou a ser mal compreendido quando o ideal do super-homem foi colocado como representado no sonho nazista. De lá para cá, com essa pecha, ele foi analisado erroneamente tantas e tantas vezes. Isso por que o ideal Nietzschiano é muito sério para ser compreendido pelo homem ordinário.

Mário Ferreira dos Santos foi um homem de tal magnitude, que ao analisar obras e obras filosófica, como uma grande mente, desenvolveu sua própria compreensão filosófica da vida que é chamada Filosofia Concreta. Abaixo, um excerto de sua obra.


Sobre Nietzsche (De um papel avulso sem data)

A leitura leve que hoje se costuma fazer, passando rápida sobre as linhas dos livros é a mais imprópria quando aplicada à sua obra. Há autores que nos exigem que assumamos a sua personalidade para fruir a essência de sua obra.

Nietzsche é assim; exige de nós uma entrega porque ele jamais se separa de sua obra.

É comum afirmarem que o ideal do super-homem nietzschiano está representado no sonho hitlerista. Nietzsche nunca desejou discípulos e, sempre afirmou, que ser-se discípulo é próprio dos medíocres. Pregou um homem senhor de si mesmo. E quando elogiou os fortes não elogiou a brutalidade. Queria homens fortes, mas era outra força além da dos músculos. A altivez por ele pregada aos homens é a altivez da dignidade. Pode ser-se digno até em andrajos. E quando combateu "a moral dos escravos", combateu os escravos que faziam uma moral de renúncia. Ele só admitia grandeza no escravo quando este se rebelava.

Aquele que aceita suas algemas e cria, para justificá-las, uma filosofia de algema, não é nietzschiano. Se Hitler prega a obediência cega de um homem-massa, sem vontade, que aceita um guia, um chefe, não é nietzschiano, porque Nietzsche combatia os guias como combatia os rebanhos. O super-homem não é o dominador de homens, o chefe, o herói. Nestes via Nietzsche algumas das virtudes que o super-homem deveria possuir. O escravo para rebelar-se, para conquistar sua liberdade, precisa ter as virtudes dos livres e dos dominadores. Era isso que ele pregava. O homem deve superar-se. Não queria que o homem se satisfizesse com a moeda falsa da felicidade da nivelação. Isso não bastaria. Sabia que se os homens atingissem uma época em que todos fossem economicamente iguais, havia possibilidade da ditadura da igualdade. E essa ditadura poderia querer tornar os homens semelhantes em série, por uma educação em série, por "estandardizações" que tirariam o poder criador o indivíduo, e entregando esse poder somente à massa. Nietzsche pregava um homem que, independente da igualização econômica continuasse homem para superar-se intelectualmente, quer em seus sentimentos, como em seus gestos e em suas virtudes. E se do hominídeo primitivo, através de uma lenta e milenária evolução, os precursores do homem chegaram até o "homo sapiens", queria e afirmava que o homem deveria ter a certeza que a sua evolução não havia parado aí. O homem prosseguiria evoluindo física e mentalmente como até aqui evoluíra. Mas nessa evolução, nesse progresso, deveria pôr sua consciência, já que adquirira a doença da consciência. Deveria pôr a sua vontade já que adquirira a virtude da vontade. A super-humanidade que ele acreditava era uma humanidade conscientemente desejada, forjada, realizada, cuja característica não seria a de uma humanidade-massa hitleriana. Seria uma humanidade-força, com um indivíduo senhor de sua vontade, empregando, ao menos, a consciência de sua vontade, para atingir superações de si próprio. O homem buscando sempre mais longe, mais longe: isto é Nietzsche. E isso não é Hitler. Hitler é aquele filho espúrio que busca tragicamente uma paternidade. E a Nietzsche coube a grande decepção de ter sido o escolhido. Como ele se revoltaria se estivesse vivo, como protestaria com aquele seu tom alciônico e enérgico, e exigiria uma nova investigação de paternidade.

Minha volta as origens





Tudo é uma questão de perspectiva...


Cara!!! Muito criativo o publicitário.....

Yeah, sure


Estraga prazer...


Girl, You'll Be A Woman Soon


Girl, You'll Be A Woman Soon
Neil Diamond

Girl, You'll Be A Woman Soon
I love you so much, can't count all the ways
I'd die for you girl, and all they can say is
"He's not your kind"
They never get tired of puttin' me down
And I never know when I come around
What I'm gonna find
Don't let them make up your mind
Don't you know

Girl, you'll be a woman soon
Please come take my hand
Girl, you'll be a woman soon
Soon you'll need a man

I've been misunderstood for all of my life
But what they're sayin', girl, just cuts like a knife
"The boy's no good"
Well, I finally found what I've been looking for
But if they get the chance, they'll end it for sure
Sure they would
Baby, I've done all I could
Now it's up to you

Girl, you'll be a woman soon
Please come take my hand
Girl, you'll be a woman soon
Soon you'll need a man

Girl, you'll be a woman soon
Please come take my hand
Girl, you'll be a woman soon
Soon, but soon you'll need a man



sexta-feira, 22 de junho de 2012

Rio 92 agora Rio+20 - III Parte


Rio 92 agora Rio+20 - II Parte

Endereço nobre da Cidade do Rio de Janeiro..... Isso não importa!!! Vamos para TransOeste... suba no BRT....


Rio 92 agora Rio+20 - I Parte

Baía de Guanabara.... 20 anos depois.... Isso é só uma linda foto, a realidade é muito mais, muito mais fedorenta.... chega a arrepiar.... Enquanto isso, vamos caminhando para zona oeste através do BRT TransOeste.... O que essas grandes obras fazem é trazer riqueza para muita gente envolvida.... Né Cachoeira (ou Cascatinha?)


Ótimo FDS pra você


Dessa vez, ambos os sexos podem se beneficiar dessa foto.... se for homem, leia da frente para trás, se mulher, de trás para frente.... hahahahahah!!!!

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Crise na Consciência



Pare de pensar que a solução para nossos males será encontrada dentro de nossa atual percepção de mundo. Uma quebra de paradigma deverá urgentemente ser realizada. Fácil não é, mas se faz urgente. Não são essas reuniões de cúpulas de políticos do mundo, como essa brincadeira de Rio+20, que fará essa modificação. Não será essa baboseira de caras-pintadas do mundo que farão essas modificações, pois a modificação desse tipo de atitude é superficial. É trocar sempre seis por meia dúzia. O sistema sempre foi mais complexo do que essas manifestações e até certa feita, essas manifestações servem a ele.

Acompanhei esse homem através de sua história de vida e seus livros por alguns anos. Mas não tive a coragem de mergulhar tão profundamente como minha consciência pedia. Voltei à superfície, com um misto de medo e vergonha por não ter tentado mais.

Mas ainda não desisti.

O Assassino de Oslo




Andei lendo um pouco sobre o tal assassino norueguês, Anders Behring Breivik, e achei muito difícil achar informações sobre ele em jornais europeus. Como você deve saber, a crise europeia acendeu um pavio muito perigoso nessa parte do mundo, que é a Xenofobia. A maioria dos países vem pensando em fechar suas fronteiras a estrangeiros e muito especialmente a estrangeiros mulçumanos.

Esse cara está se colocando como um porta-voz de uma minoria (ou maioria) de europeus que se dizem fartos da imigração mulçumana em seus países visto que já está difícil de manterem-se, ainda mais manterem imigrantes que na maioria das vezes não se misturam as suas culturas e proliferam-se feito coelho. Enquanto um europeu normalmente tem um ou dois filhos, esses imigrantes chegam de seus países com proles normalmente grandes. E você deve saber que em países europeus avançados e com ideologia social democrata, esses imigrantes não ficam jogados a sua sorte, sendo o estado um tutor deles, pagando a eles auxilio social para que não morram de fome.

Descobri que a falta de informações sobre Anders se deve a um acordo silencioso dos meios de comunicação europeu de não divulgação das ideias que ele quer disseminar, pois acham que o que ele realmente quer é justamente isso: divulgar suas ideias ultranacionalistas. Você já deve saber que ele já lançou seu manifesto, com 1500 páginas em que se vê como mártir, como Hitler havia lançado o dele antes da ascensão do Partido Nacional-Socialista, do qual era líder, ao poder. Esse manifesto nazista é conhecido como Mein Kampf. Até hoje esse documento é visto com uma bíblia para os grupos neonazistas europeus.

Olhem só um pequeno excerto do documento divulgado por ele.
"Sempre levarei comigo a certeza de ser um campeão do conservadorismo cultural, talvez o maior da Europa desde 1950", diz o atirador a certa altura. "Sou um dos muitos destruidores do marxismo e, assim, um herói da Europa, salvador de nosso povo e da cristandade. Um exemplo perfeito que deveria ser copiado, aplaudido e celebrado. Saberei que fiz tudo para deter o genocídio cultural e demográfico dos europeus e reverter a islamisação da Europa."
Quer mais?

Resta agora saber se a não divulgação funcionará para que esse, a meu ver, barril de pólvora xenofóbica não exploda. Mas com a crescente crise na Europa, essa não será uma tarefa fácil, pois alguém terá que pagar pelos desacertos políticos e econômicos deles. Pensando macro, como para um ser humano é difícil aceitar seus erros, normalmente culpando outros por suas desventuras, para um grupo ou para uma nação também é, só que com consequências mais desastrosas.

Daí o próximo post sobre "Crise de Consciência" de Krishnamurti.


Fly Low Carrion Crow - Two Gallants



Fly low ye carion crow
seize my body for the dead I owe
drop me high into the depths below
for the things I've seen no one else should know

it's just you and me and my rib-caged brain
we polish the brass and we dust the pain
and we lay down fallow like slaveless chians
and they call us sick as though they're all so sane

so fly low ye carion crow
and seize my body for to free my soul
and drop me high into the depths below
for the things I've seen no one else should know

and what speak you of a love so bold?
and if song could sing, no word could hold
but I warn you now of an end foretold
and a life long waiting for a death below

so fly low ye carion crow
and sieze my body for it lives no more
and drop me high into the depths below
for the things I've seen no one else should know
for the things I've seen no one else should know
for the things I've seen no one else should know

Sobre você e os políticos


quarta-feira, 20 de junho de 2012

Curso Rápido de Gramática





Curso Rápido de Gramática

Filho da puta é adjunto adnominal, quando a frase for:
"Conheci um político filho da puta".

Se a frase for:
"O político é um filho da puta", daí, é predicativo.

Agora, se a frase for:
"Esse filho da puta é um político", é sujeito.

Porém, se o cara aponta uma arma para a testa do político e diz:
"Agora nega o roubo, filho da puta!" - daí é vocativo.

Finalmente, se a frase for:
"O ex-ministro, Alfredo Nascimento, aquele filho da puta, desviou o dinheiro das estradas" - daí, é aposto.

Que língua a nossa, não?!

Papo dos Gêmeos


"No ventre de uma mulher grávida dois gêmeos dialogam:

- Você acredita em vida após o parto?

- Claro! Há de haver algo após o nascimento. Talvez estejamos aqui principalmente porque nós precisamos nos preparar para o que seremos mais tarde.

- Bobagem, não há vida após o nascimento. Afinal como seria essa vida?

- Eu não sei exatamente, mas certamente haverá mais luz do que aqui. Talvez caminhemos com nossos próprios pés e comeremos com a nossa boca.

- Isso é um absurdo! Caminhar é impossível. E comer com a boca? É totalmente ridículo! O cordão umbilical nos alimenta. Além disso, andar não faz sentido pois o cordão umbilical é muito curto.

- Sinto que há algo mais. Talvez seja apenas um pouco diferente do que estamos habituados a ter aqui.

- Mas ninguém nunca voltou de lá. O parto apenas encerra a vida. E afinal de contas, a vida é nada mais do que a angústia prolongada na escuridão.

- Bem, eu não sei exatamente como será depois do nascimento, mas com certeza veremos a mamãe e ela cuidará de nós.

- Mamãe? Você acredita em mamãe? Se ela existe, onde ela está?

- Onde? Em tudo à nossa volta! Nela e através dela nós vivemos. Sem ela não existiríamos.

- Eu não acredito! Nunca vi nenhuma mamãe, por isso é claro que ela não existe.

- Bem, mas ás vezes quando estamos em silêncio, posso ouvi-la cantando, ou senti-la afagando nosso mundo. Eu penso que após o parto, a vida real nos espera; e, no momento, estamos nos preparando para ela. "

E aí? Pronto para o renascimento? hahahahahah!!!!

Slow Cities



Incentivados pelo sucesso e apoio dos italianos ao Slow Food o movimento de Slow Cities se inciou pela Itália. As Slow Cities são caracterizadas por um modo de vida que apoia as pessoas a viverem mais compassadamente. As tradições e as formas tradicionais de fazer as coisas são mais valorizadas. Essas cidades se levantaram contra o mundo homogeneizado visto em outras cidades pelo mundo. Slow cities têm menos tráfego, menos ruído, menos multidões, valorizando um modo mais tranquilo de se viver. 

Pela massificação das informações erradas pode-se achar que isso não é possível. Que esse tipo de conceito é utópico. Mas não é verdade. É viável e de grande impacto na maneira de vermos a vida.

Não deixe de passar no site do movimento (http://www.slowmovement.com/slow_cities.php) e começar a se informar sobre o progresso desse tipo de projeto.

Slow Food


A filosofia da Slow Food defende a necessidade de informação do consumidor, protege identidades culturais ligadas a tradições alimentares e gastronômicas, protege produtos alimentares e comidas, processos e técnicas de cultivo e processamento herdados por tradição, e defende espécies vegetais e animais, domésticas e selvagens.

Reunindo mais de 100 mil associados ao redor do mundo, a rede de membros do Slow Food é organizada em grupos locais, que organizam periodicamente uma série de atividades como oficinas de educação alimentar para crianças, palestras, degustações, cursos, jantares e turismo enológico e gastronômico.

DEFESA DA BIODIVERSIDADE
Pretende-se desfrutar de excelentes alimentos e bebidas em conjunto com esforços para proteger os diversos grãos, vegetais, frutas e produtos animais tradicionais que estão desaparecendo em prevalência dos alimentos produzidos por agronegócios. Slow Food pretende proteger o patrimônio culinário e criou uma fundação voltada para preservação da biodiversidade.

EDUCAÇÃO DO SABOR
Esse movimento ajuda as pessoas a redescobrirem o prazer de alimentar-se e compreenderem a importância de entender de onde a sua comida é proveniente, quem faz e como é feita.

LIGAÇÃO ENTRE PRODUTORES E COPRODUTORES
Também organiza feiras, mercados e eventos locais e internacionais onde consumidores podem encontrar os produtores, além de provar alimentos de excelente qualidade.

CRITICISMO
Críticos do movimento alegam que como o Slow Food é contra alimentos produzidos em larga escala, monoculturas ou alimentos industrializados, o movimento estaria desencorajando o uso de alimentos mais baratos. A Slow Food responde que trabalha em prol da qualidade dos alimentos. O movimento defende a produção e consumo locais, o uso de alimentos tradicionais e a compra direta dos produtores, ações que tornam os alimentos mais baratos por depender menos de transporte e de produtos químicos para conservação e também por se tratar de uma cadeia de consumo mais curta e sem atravessadores. A Slow Food discute de modo mais aprofundado qual é o real custo do alimento, questionando, por exemplo, qual o custo ambiental dos alimentos produzidos em escala industrial, ou qual o custo para a saúde de quem consome alimentos industrializados. Além disso, defende que os agricultores e produtores devem ser bem remunerados pelo seu trabalho.

Para saber mais sobre ele, acesse http://www.slowfoodbrasil.com/


Sustentabilidade


Muito se fala sobre o assunto, mas poucos podem definir o que realmente significa esse conceito. Esta ideia foi utilizada pela primeira vez no Relatório Brundtland, publicado em 1987, sob o título de Nosso Futuro Comum, do qual cunhou-se o termo “desenvolvimento sustentável”, descrito como “o desenvolvimento que satisfaz as necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir suas próprias necessidades.”

A natureza deste relatório estrutura uma série de ações que, já na segunda metade do século XX, tem se tornado uma preocupação internacional com a questão dos limites que o crescimento humano impõe.

O conceito de sustentabilidade comporta sete aspectos principais:

1. Sustentabilidade Social - melhoria da qualidade de vida da população, equidade na distribuição de renda e de diminuição das diferenças sociais, com participação e
organização popular;

2. Sustentabilidade Econômica - públicos e privados, regularização do fluxo desses investimentos, compatibilidade entre padrões de produção e consumo, equilíbrio de balanço de pagamento, acesso à ciência e tecnologia;

3. Sustentabilidade Ecológica - o uso dos recursos naturais deve minimizar danos aos sistemas de sustentação da vida: redução dos resíduos tóxicos e da poluição, reciclagem de materiais e energia, conservação, tecnologias limpas e de maior eficiência e regras para uma adequada proteção ambiental;

4. Sustentabilidade Cultural - respeito aos diferentes valores entre os povos e incentivo a processos de mudança que acolham as especificidades locais;

5. Sustentabilidade Espacial - equilíbrio entre o rural e o urbano, equilíbrio de migrações, desconcentração das metrópoles, adoção de práticas agrícolas mais inteligentes e não agressivas à saúde e ao ambiente, manejo sustentado das florestas e industrialização descentralizada;

6. Sustentabilidade Política - no caso do Brasil, a evolução da democracia representativa para sistemas descentralizados e participativos, construção de espaços públicos comunitários, maior autonomia dos governos locais e descentralização da gestão de recursos;

7. Sustentabilidade Ambiental - conservação geográfica, equilíbrio de ecossistemas, erradicação da pobreza e da exclusão, respeito aos direitos humanos e integração social. Abarca todas as dimensões anteriores através de processos complexos.